Contact, 联系, संपर्क,  اتصال, コンタクト,  контакт  :        dette.animaux.don.heritage@laposte.net

 

 

 

 

Beneficiários da minha herança:

 

    Associação

 

- Associação PETA - filial do Reino Unido

https://www.peta.org.uk

 

- Fundação BRIGITTE BARDOT - França

https://www.fondationbrigittebardot.fr/

 

- associação L214 - França

https://www.l214.com/

 

- associação de pastores do mar - filial francesa

https://seashepherd.fr

 

- Associação Douages ​​Estates - França

https://www.domainedesdouages.com

 

- Associação WELFARM - França

https://welfarm.fr
 

- associação GAIA - Bélgica

https://www.gaia.be/en

 

- ecologia no centro - França

https://ecologieaucentre.eu

 

- geração animal - França

www.generationanimal.fr

 

- refúgio do doutor MANSOUR - Tunísia

https://www.soutien-au-dr-mansour.org
 

- associação para um mundo melhor (sem website)
 

 

     auxílio empresarial:

RIPAI (em criação) revegetação de pratos em estabelecimentos públicos na região de Lyon - França

(site em construção)
 

DROLE de ZEBRE: integrando a questão animal nas compras públicas

https://www.ddzebre.com/about/

https://www.ddzebre.com/collectivites/


 

     outra ação:

esterilização de gatos vadios

 

(texto traduzido eletronicamente: confiabilidade?)

 

em nome da dívida

 

 

Dou a minha herança de

150000€

 

 

 

 

 

 

Texto do vídeo:

 

Meu nome é Gauthier JOURNET, sou funcionário da maior estrutura da França e politicamente descomprometido.

 

Apesar de tudo isto e para explicar o título deste vídeo, há pensar que temos uma dívida para com os animais devido ao nosso modo de vida: alimentação, vestuário, recreação...

 

Quase eliminei minha parcela de responsabilidade nessas áreas para o futuro, tornando-me quase vegano desde muitos anos.

Por outro lado, pelo passado, devido a educação recebida e por ter tido o costumeiro e clássico comportamento dos franceses em matéria alimentar até aos 23 anos, por isso também estou em dívida.

 

Tendo recebido dos meus pais uma herança de 150.000€ e neste contexto, decidi doar toda esta quantia a associações de defesa animal como início de compensação pela dívida familiar para com os animais. Isso tem origem nas mesmas áreas de consumo, mas principalmente na alimentação. Se formos mais longe, uma dívida é o fato de ter causado dano a outrem. Assim que incluímos moralmente os animais na noção de “outros”, podemos considerar que é de fato toda a humanidade que tem uma dívida. Isso é colossal e aumenta a cada dia.

 

Já ouvimos falar em várias ocasiões de dívida, em particular para com a natureza pela sua destruição, mas nunca para com os animais que, afinal, continua a ser a mais pesada, dado o número de vítimas. O objetivo final da minha abordagem é destacar essa noção de dívida e, assim, levar todos e nossa sociedade a pensar em mudar nosso comportamento em relação aos animais. Como podemos parar de prejudicá-los e como podemos pagar nossa dívida para com eles?

 

Um concurso de fotografia será organizado a cada ano sobre animais de fazenda.

 

A lista de beneficiários é apresentada a seguir.

 

 

 

 

 

MINHA HISTÓRIA

 

 

A gênese:

Em uma idade muito jovem, provavelmente por volta dos 12-13-14-15 anos, a ideia de matar deliberadamente seres vivos apenas para comê-los começou a me incomodar. Com o tempo, coloquei-me no lugar dessas vítimas e disse a mim mesmo que não gostaria que fizessem o mesmo comigo. Então, senti que abusar e roubar a vida de um ser vivo era inaceitável e injusto, até mesmo para me alimentar, já que posso facilmente fazê-lo de outra forma.

Na minha cabeça e com o tempo, decidi parar de comer o que considerava um cadáver. A própria ideia de comê-lo me dá vontade de vomitar mais do que tudo. A sensação desagradável de ser um necrófago.

 

Morando com meus pais e querendo evitar conflitos com eles, esperei até ficar financeiramente independente de meus pais para me tornar vegetariana aos 23 anos. Com meus pais, a transição não foi tranquila porque o peso cultural é importante e congelado. Insensível aos meus argumentos, só tinha direito à oposição. Por outro lado, a ausência de uma reação positiva aos meus argumentos éticos fazia com que meus pais parecessem egocêntricos, até mesmo egoístas e indiferentes ao sofrimento e maus-tratos aos animais. Isso me fez pensar que quando eu herdar deles, darei o dinheiro deles, que herdarei, para associações de proteção animal para começar a compensar as consequências de sua indiferença. A ideia de dívida para com o reino animal nasceu.

Especifico aqui que não os culpo porque sei que as resistências culturais são as mais difíceis de superar mentalmente. Mas, por outro lado, seu dinheiro seria usado para indenizar os descendentes de suas vítimas indiretas enquanto eles gostariam que esse dinheiro permanecesse na família.

No que me diz respeito, não herdei apenas o dinheiro. Através da minha educação, herdei uma dieta muito antiética e indutora de culpa.

 

Até eu acabei desistindo dessa dieta, por comer carne até os 23 anos, também tenho a mesma dívida infelizmente.

Muito além de mim e de minha família, rapidamente percebi que toda a humanidade tem a mesma dívida. É colossal e piora a cada dia.
 

 

a doação

 

Minha relação com o dinheiro é especial. 3 seções:

1-Considero que é a pior invenção do ser humano e que acabou por corromper os espíritos. Pensando bem, o dinheiro está na origem de quase todos os males que assolam a humanidade: delinquência, guerra, escravidão, roubo, exploração, fraude, sequestro, desemprego, miséria, corrupção...

2- a própria noção de herança ligada à morte de alguém: "Não tenho mais meus pais, mas em troca recebo dinheiro". Eu tenho muitos problemas com isso.

3- O único dinheiro que considero é meu. a dos meus pais: a deles.

Se o dinheiro estiver lá e eu eventualmente o herdar, posso muito bem usá-lo para coisas boas, em vez de acumulá-lo ou gastá-lo em futilidade egoísta.

 

Já que ia dar esta herança, era necessário como tal, aproveitar para tentar confrontar o maior número de pessoas possível com esta noção de dívida para com os animais. O objetivo é que eles tomem consciência disso e acabem questionando seu próprio comportamento, e suas consequências, quanto ao respeito que têm ou não pelos seres vivos não humanos. A ideia de cobertura da mídia nasceu.

 

Espero, portanto, o maior impacto mediático possível e internacional para que o maior número de pessoas evolua, sob a influência da sua má consciência ao longo do tempo, para o vegetarianismo ou melhor ainda para o veganismo.

Essa ideia de mediatização é muito mais importante do que o despacho e o próprio  da soma.

A conferência de imprensa é uma coisa, mas confio mais na divulgação da minha abordagem através das redes sociais.

Vale ressaltar que as doações irão para a origem da dívida familiar: o consumo de carne. Se houvesse caçadores  na família, eu também teria feito uma doação nesse sentido. 


Mais concretamente, os donativos destinam

-se essencialmente a - estruturas de assistência aos animais de produção, principalmente

- denunciantes que relatam abuso e comportamento inaceitável.

- as estruturas que ajudam e incentivam a migração para uma dieta vegana e a consideração das questões animais